Skinpress Rss

domingo, 21 de dezembro de 2014

Diga NÃO a redução da maioridade penal..!!!

0



Todos os países que reduziram a maioridade penal não diminuíram a violência




Nos 54 países que reduziram a maioridade penal não se registrou redução da violência.
A Espanha e a Alemanha voltaram atrás na decisão de criminalizar menores de 18 anos. Hoje, 70% dos países estabelecem 18 anos como idade penal mínima

Por Frei Betto

Voltou à pauta do Congresso, por insistência do PSDB, a proposta de criminalizar menores de 18 anos via redução da maioridade penal.
De que adianta? Nossa legislação já responsabiliza toda pessoa acima de 12 anos por atos ilegais.

Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente, o menor infrator deve merecer medidas socioeducativas, como advertência, obrigação de reparar o dano, prestação de serviço à comunidade, liberdade assistida, semiliberdade e internação. A medida é aplicada segundo a gravidade da infração.

Leia também: Quatro razões para não reduzir a maioridade penal
Nos 54 países que reduziram a maioridade penal não se registrou redução da violência. A Espanha e a Alemanha voltaram atrás na decisão de criminalizar menores de 18 anos. Hoje, 70% dos países estabelecem 18 anos como idade penal mínima.

O índice de reincidência em nossas prisões é de 70%. Não existe, no Brasil, política penitenciária, nem intenção do Estado de recuperar os detentos. Uma reforma prisional seria tão necessária e urgente quanto a reforma política. As delegacias funcionam como escola de ensino fundamental para o crime; os cadeiões, como ensino médio; as penitenciárias, como universidades.

O ingresso precoce de adolescentes em nosso sistema carcerário só faria aumentar o número de bandidos, pois tornaria muitos deles distantes de qualquer medida socioeducativa. Ficariam trancafiados como mortos-vivos, sujeitos à violência, inclusive sexual, das facções que reinam em nossas prisões.
Já no sistema socioeducativo, o índice de reincidência é de 20%, o que indica que 80% dos menores infratores são recuperados.

Nosso sistema prisional já não comporta mais presos. No Brasil, eles são, hoje, 500 mil, a quarta maior população carcerária do mundo. Perdemos apenas para os EUA (2,2 milhões), China (1,6 milhão) e Rússia (740 mil).

Reduzir a maioridade penal é tratar o efeito, e não a causa. Ninguém nasce delinquente ou criminoso. Um jovem ingressa no crime devido à falta de escolaridade, de afeto familiar, e por pressão consumista que o convence de que só terá seu valor reconhecido socialmente se portar determinados produtos de grife.

Enfim, o menor infrator é resultado do descaso do Estado, que não garante a tantas crianças creches e educação de qualidade; áreas de esporte, arte e lazer; e a seus pais trabalho decente ou uma renda mínima para que possam subsistir com dignidade em caso de desemprego.

Segundo o PNAD, o adolescente que opta pelo ensino médio, aliado ao curso técnico, ganha em média 12,5% a mais do que aquele que fez o ensino médio comum. No entanto, ainda são raros cursos técnicos no Brasil.

Hoje, os adolescentes entre 14 e 17 anos são responsáveis por consumir 6% das bebidas vendidas em todo o território nacional. A quem caberia fiscalizar? Por que se permite que atletas e artistas de renome façam propaganda de cerveja na TV e na internet? A de cigarro está proibida, como se o tabaco fosse mais nocivo à saúde que o álcool. Alguém já viu um motorista matar um pedestre por dirigir sob o efeito do fumo?

Pesquisas indicam que o primeiro gole de bebidas alcoólicas ocorre entre os 11 e os 13 anos. E que, nos últimos anos, o número de mortes de jovens cresceu 15 vezes mais do que o observado em outras faixas etárias. De 15 a 19 anos, a mortalidade aumentou 21,4%.

Portanto, não basta reduzir a maioridade penal e instalar UPPs em áreas consideradas violentas. O traficante não espera que seu filho seja bandido, e sim doutor. Por que, junto com a polícia pacificadora, não ingressam, nas áreas dominadas por bandidos, escolas, oficinas de música, teatro, literatura e praças de esportes?

Leia mais: Aécio Neves defende redução da maioridade penal
Punidos deveriam ser aqueles que utilizam menores na prática de crimes. E eles costumam ser hóspedes do Estado que, cego, permite que dentro das cadeias as facções criminosas monitorem, por celulares, todo tipo de violência contra os cidadãos.

Que tal criminalizar o poder público por conivência com o crime organizado? 
Bem dizia o filósofo Carlito Maia: “O problema do menor é o maior.”

Fonte: http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/04/todos-os-paises-que-reduziram-maioridade-penal-nao-diminuiram-violencia.html

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

domingo, 19 de outubro de 2014

0

 Boa tarde ,


Sei que estou em falta com meus leitores(as), mas é por uma boa razão.  Estou com aulas no período da manhã e a tarde o que acaba consumindo boa parte do tempo, me deixando com essa falta aqui no blog. Mas assim que tiver uma oportunidade volto para dar notícias e colocar post que irá contribuir com nosso crescimento. Agradeço a compreensão e me aguardem.

Atenciosamente,

Taismara

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Antes que eles cresçam!

0


Lindo esse texto!! Realmente é isso mesmo, passa muito rápido!!
Texto de Affonso Romano

domingo, 24 de agosto de 2014

PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA ESCOLAR

0

Achei a reflexão da colega Psicopedagoga Jossandra Barbosa, interessante e realmente precisamos rever esse conceito!! Vou compartilhar acessem o site e leiam:

http://psicopedagogajossandrabarbosa.blogspot.com.br/2014/08/conheca-psicopedagogia-clinica-escolar.html

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Retorno

0



Leitores(as),

É com muito carinho que compartilho com vocês minha experiência pessoal de ministrar aulas na Fundação C.A.S.A (Febem), amanhã estarei novamente entrando por estas grades. Sempre soube que voltaria, pois Deus tem um propósito. Posso dizer que o tempo que ministrei aulas na Fundação C.A.S.A, cresci não só como pessoa mas como profissional. Preconceitos sempre existirão, mas maior é meu Deus que ama independente de qualquer coisa e é esse amor que me faz voltar novamente.....eu gostava de trabalhar com meus alunos a música do Renato Russo e de certa forma tem tudo haver comigo e com eles, pois eu acredito neles e sei que podem mudar sim: 

Mas é claro que o sol vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem

Tem gente que está do mesmo lado que você
Mas deveria estar do lado de lá
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar
Tem gente enganando a gente

Veja a nossa vida como está
Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo
Quem acredita sempre alcança

Mas é claro que o sol vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã
Espera que o sol já vem

Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena
Acreditar no sonho que se tem
Ou que seus planos nunca vão dar certo
Ou que você nunca vai ser alguém
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar

Mas eu sei que um dia a gente aprende
Se você quiser alguém em quem confiar
Confie em si mesmo
Quem acredita sempre alcança...
Quem acredita sempre alcança...
Quem acredita sempre alcança...
Quem acredita sempre alcança...

Link: http://www.vagalume.com.br/legiao-urbana/mais-uma-vez.html#ixzz3Aw7Be2c1